26 de dezembro de 2012

Indicação de série: DOAMOR

by Ana Paula de Almeida às 09:00 2 comentários
Feliz Natal pra todo mundo que tá me lendo! E que 2013 seja doce e cheio de coisas boas, é o que eu desejo do fundo do coração! 

Quando eu descubro uma coisa muito legal, seja uma banda, um filme, um livro ou uma série, eu quero compartilhar com o máximo de pessoas que eu conheço! Quero que todo mundo conheça também pra ver como é legal e também pra ter assunto. Eu adoro compartilhar coisas legais! E essa série que eu vou indicar é uma dessas coisas legais que eu descobri do nada e tô amando, e quero compartilhar com vocês! Já postei no meu Facebook, no meu Twitter, mas não custa nada postar aqui também, não é?
Enfim, estava dia desses mudando de canal, porque por mais que você tenha TV por assinatura com zilhões de canais, tem horas que parece que não tá passando nada de bom. Era uma terça-feira, por volta de 23h, e aí estava começando essa série. De cara, quando vi a Maria Flor, achei que fosse Aline, outra série que eu amo! Mas não, era mais melancólica e devagar, e como estava no comecinho, pude ver um resumo dos episódios anteriores, e de cara me apaixonei. E olha que esse já era o episódio 11, eu tinha perdido os 10 últimos, mas fiquei presa à TV até o fim do capítulo, e querendo recuperar o que eu tinha perdido. Perguntei no meu twitter e várias pessoas me responderam que conheciam a série e que era demais! Bom, aí eu fiquei mais curiosa ainda, e assim que acabou o episódio corri pro computador pra pesquisar o que eu encontrasse. Descobri que a série é feita por uma produtora independente, a Fina Flor Filmes, que já fez vários outros trabalhos para os canais Globosat.
O elenco é incrível, com Maria Flor (que eu amo), Armando Babaioff (esse lindo), João Velho, Julia Lund e Lucia Bronstein. A trilha sonora é impecável, e a história é linda e super realista. Não vou dar spoiler, porque logo abaixo tem todos os episódios que já foram exibidos, mas é a história de um casal comum, apaixonado, mas cheio de diferenças, e que tenta se encontrar nos desencontros da vida.
O casal Pio (Armando Babaioff) e Lulu (Maria Flor) se conhecem  e é amor à primeira vista. E como todo começo de relacionamento, tem toda aquela melação típica de quem acabou de se conhecer e só quer ficar junto. Mas, como sabemos, a paixão não dura pra sempre, e quando o encanto inicial passa, eles começam a enfrentar vários problemas para se relacionarem e para se acostumarem um ao outro. É a história da vida da gente, onde não tem vilão nem mocinho como nas novelas, onde os vilões somos nós mesmos, porque é difícil se relacionar com o outro. Por isso que eu me apaixonei pela série, porque ela não carrega aqueles clichês comuns a filmes românticos e a novelas, ela mostra um casal que poderia ser qualquer um de nós, um casal que tem vários problemas, que briga por besteiras, que é cheio de defeitos, mas que mesmo assim, tenta dar certo. Além disso, tem outras questões envolvidas, como traição, amizade, família, etc.
E a série é muito bem produzida, não segue a narrativa linear, com começo, meio e fim, ela é cheia de flashbacks que ajudam a entender e a contar a história. E é a história de um casal comum da cidade grande, uma história que com certeza todo mundo vive, já viveu, ou algum dia vai viver. Tudo isso embalado por uma trilha incrível, com Marcelo Camelo, Cícero, Tiê e Little Dragons, que é o tema da série, com a música Ritual Union.
É uma série deliciosa de ver, e passa todas as terças, às 23h, no Multishow. Mas, como as festas de fim de ano caíram nas terças, a série volta só em janeiro, com os episódios finais. Mas, na página oficial de DOAMOR no Facebook  eles postaram que já estão pensando na segunda temporada, e olha, é tudo que eu mais quero na vida rs! Bom, abaixo estão os 11 episódios já exibidos, e vale a pena tirar um tempinho pra ver, eu garanto que vocês vão gostar :)

EPISÓDIO 01: O INÍCIO E O FIM


DOAMOR EP01 O início e o fim from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 02: À PRIMEIRA VISTA


DOAMOR EP02 À primeira vista from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 03: TRÊS É DEMAIS
 
DOAMOR EP03 Três é demais from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 04: DES(ENCONTRO)
 
DOAMOR EP04 Des(Encontro) from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 05: OUTRO OLHAR
 
DOAMOR EP05 Outro olhar from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 06: FORA DE FOCO
 
DOAMOR EP06 Fora de foco from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 07: POR QUE A GENTE É ASSIM?
 
DOAMOR EP07 Por que a gente é assim? from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 08: CREPÚSCULO
 
DOAMOR EP08 Crepúsculo from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 09: TUDO DÓI
 
DOAMOR EP09 Tudo dói from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 10: MUDANÇAS
 
DOAMOR EP10 Mudanças from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 11: NÃO DÁ PRA CONTROLAR
 
DOAMOR EP11 Não dá para controlar from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 12: O QUE QUERERES

DOAMOR EP 12 O Quereres from Fina Flor filmes on Vimeo.

EPISÓDIO 13: ATÉ BREVE

DOAMOR EP13 Até breve from Fina Flor filmes on Vimeo.


Ana.

10 de dezembro de 2012

15 dicas pra você vencer o TCC

by Ana Paula de Almeida às 11:34 7 comentários

A felicidade de quem foi aprovada kkkkk (Foto: Wesley Mendes)

Pra quem não sabe, eu acabei de concluir uma das etapas mais importantes da minha vida: a faculdade! E pra isso, claro, eu tive de passar pelo temido TCC! Eu vivi na pele durante esse ano e posso dizer que é sim um trabalho muito desgastante, mas não é nenhum bicho de sete-cabeças. Eu saí ilesa, e pra mim foi bem tranquilo ao longo do ano. Posso afirmar com certeza que o TCC é mais assustador antes do que durante. Eu tinha mais medo dele antes de fazer, mas depois que você põe a "mão na massa" ele nem é tão ruim assim. Fiz esse post pra ajudar os cabecinhas que estão aí morrendo de medo dessa sigla que assombra a gente desde o primeiro dia de aula, e que não deveria ser assim, pois o TCC é um trabalho experimental, onde você pode, e deve, experimentar, ousar e colocar em prática tudo o que você aprendeu durante o curso.
Mas vou adiantar, o TCC não é um trabalho que dá pra ser feito num fim de semana, por isso mesmo você tem o prazo do ano inteiro pra fazê-lo, então, APROVEITE O MÁXIMO ESSE TEMPO. Não deixar pra última hora é um conselho que eu ouvi muito dos meus amigos que se formaram, e que eu levei pra vida, e por isso, não tomei nenhum susto ao longo do ano. Isso é mais importante do que vocês podem imaginar. Se eu posso dar um conselho pra vocês é: use protetor solar NÃO DEIXE SEU TCC PRA ÚLTIMA HORA.
Além dessas, listei algumas dicas abaixo que podem te ajudar, te acalmar, e te estimular a fazer seu TCC! Espero que vocês gostem e que seja útil.



1 - Escolher um tema que você realmente goste

Isso é o primeiro passo, e como tal, um dos mais importantes. Escolher um tema que você tenha afinidade vai te ajudar tanto na pesquisa quanto na execução do projeto, além de tornar tudo mais fácil. Pense que você vai estar envolvido intensamente nisso por uns 10 meses, então, que seja pelo menos um tema que você gosta pra você não querer vomitar toda vez que ouvir falar do seu tema. Até porque, depois que você termina, confie em mim, você não vai querer ouvir falar do seu tema tão cedo. Eu, por exemplo, fiz uma revista de moda, e tô querendo andar com trapos pelas ruas de tanto que não aguento mais ouvir falar de moda (brinks). Mas é sério, não tenha medo de escolher um tema que você curte, mesmo que ele pareça babaca pra todo mundo, o trabalho é seu e você faz do que você quiser.


2 - Pesquisar muito, sobre tudo que envolva seu tema

Esse é o segundo passo do processo, e é extremamente importante. Por mais que você ame seu tema, o que você sabe sobre ele é uma joia bruta e que precisa ser lapidada, e isso vai ser feito a partir de muita pesquisa. Isso também ajuda a você a amadurecer sua ideia de projeto, pois no começo, todo mundo tem uma ideia muito ampla, que vai se ajustando com o tempo. Seu projeto final nunca vai ser igual ao que você pensou lá no começo do ano, pelo contrário, ele vai estar muito melhor, principalmente se você pesquisou bastante sobre ele :) E não se limite só à internet, por mais contraditório que isso pareça, afinal, a internet não tem limites. Mas é difícil fazer um filtro diante do tamanho de informações que a gente encontra por aqui, então, busque livros de autores especialistas no seu tema, isso ajuda e muito, principalmente na Fundamentação Teórica do projeto.

3 - Anotar tudo que você achar importante

Anote tudo, TUDO mesmo! Links, citações, nomes de livros, de filmes, dados, eventos, tudo que esteja relacionado ao seu trabalho. Além disso, anote tudo que você considerar importante salientar durante a execução do trabalho, como alguma dificuldade, alguma conquista, alguma dúvida, tudo isso é importante pra colocar nas considerações finais. Além disso, durante o TCC, quanto mais informação você tiver, melhor, mesmo que você não use no seu trabalho.

4 - Organize-se e seja disciplinado



Organização, essa é a palavra-chave pra vencer seu TCC com folga. Seja o mais organizado possível, desde a organização das suas pastas no computador quanto com os seus horários. E seja disciplinado quando tiver de ser, eu sei que a preguiça sempre é maior, mas tenha pulso consigo mesmo. Pense no TCC não como um projeto acadêmico, mas como um projeto de vida, se isso faz com que você tenha mais compromisso com ele. 


5 - Seja fiel ao seu cronograma

O cronograma serve pra ser seguido. Parece clichê, mas é a maior verdade da vida durante o TCC. O cronograma é a garantia que você tem de que se você seguí-lo, seu projeto tem muito mais chances de dar certo. Eu sei que ele parece mais um quadro obrigatório que você tem que incluir no projeto, mas ele é um guia, e se você for fiel ao que você delimitou, você vai terminar seu trabalho no prazo e ainda vai ter tempo pra correções. Aliás, o cronograma é também a salvação que você tem se surgir algum imprevisto no meio do percurso (e acredite, sempre surge).

6 - Algumas renúncias são necessárias

Lembra de quando você tava estudando que nem um doido pra vestibular, ENEM, e nem saía durante o fim de semana pra estudar mais? Pois então, você teve de renunciar a algumas coisas pra atingir seu objetivo. Encare o TCC da mesma forma, não é que você tenha de se enclausurar durante um ano pra fazê-lo, mas alguns fins de semana terão de ser sacrificados em prol dessa causa. E acredite, vale a pena, vale muito a pena no final de tudo!

7 - Não tenha medo do seu orientador

Já vi muita gente correndo do orientador mais do que diabo foge da cruz. O que não aconteceu na minha turma, pelo contrário, todos estavam bem entrosados com o orientador, e é assim que tem que ser. Como o próprio nome diz, o orientador está ali pra te ajudar, pra te orientar, a tomar os melhores caminhos no seu projeto. Eles já são profissionais há muito tempo, então tem uma visão de mercado ou uma visão acadêmica muito maior que nós, alunos, então, é preciso confiar nele. E aceitar críticas, afinal, seu trabalho não é perfeito, e ele vai te ajudar a lapidar até chegar no projeto final. E outra, eu fiquei no pé da minha orientadora o ano todo, pedindo conselho, ajuda hahaha. Mas, é importante também ressaltar que você deve escolher um orientador que tenha alguma afinidade também com o seu projeto, porque senão, ele também não vai conseguir te ajudar. E se você não se dá bem com o seu orientador, troque enquanto é tempo. E outra, ele é seu orientador, não espere que ele vá fazer o trabalho junto com você ou para você.

8 - Tudo que você fizer, salve no máximo de lugares possíveis

Isso é muito importante, acredite, é MUITO IMPORTANTE MESMO. Não confie muito na tecnologia e tudo o que você fizer, TUDO, salve no computador, no pendrive, no HD Externo, num diretório online (Google Drive ou Dropbox) e mande pro seu e-mail. Todas as alterações do seu trabalho. Pode parecer um serviço chato, e é mesmo, mas é de extrema importância. Eu vi gente perdendo um trabalho quase pronto porque salvou só no PC e ele deu pau. E acredite, no ano de TCC é quando ele pode realmente dar pau, e dá mesmo, é tipo Lei de Murphy. Pra não correr o risco, tenha todas as versões salvas em todos os lugares.

9 - Saia do Facebook (e outras redes sociais) enquanto estiver tccendo 



É sério, sai do Facebook quando for fazer o TCC. Por experiência própria, eu sei o quanto é difícil, mas redes sociais em geral distraem muito e nós perdemos um tempo precioso. Só entre se precisar fazer alguma coisa nele, para o TCC. Mas entre e já saia. É preciso ter força e disciplina nessa hora, principalmente depois de passar horas trabalhando nele, você quer descanso. Mas vá descansar longe do Facebook. 


10 - Esteja aberto às críticas

Aceite: seu trabalho não é perfeito e vai ser criticado. Eu, perfeccionista do jeito que sou, tive que engolir seco muitas vezes. Mas também aceite que todas as críticas são pra deixar seu trabalho ainda melhor. Seja do orientador, da banca ou de outros professores, é importante ter um olhar de fora, um olhar que não esteja "viciado" no trabalho e que vai encontrar erros que nós deixamos passar.

11 - Seja atento às correções

Isso complementa a dica de cima, formatar ABNT é muito chato e detalhado, então, é normal que a gente deixe muitos errinhos passarem. Então, um olhar de fora na formatação é essencial, pois como é um trabalho acadêmico, ele tem de seguir o padrão definido, e isso é bem chato de fazer. Além disso, como é um trabalho muito extenso, erros gramaticais também são normais, mas não podemos deixar passar batido, por isso, a correção final é fundamental.



12 - Não deixe tudo pra última hora


Tudo isso que eu disse acima meio que se resume a: NÃO DEIXE TUDO PRA ÚLTIMA HORA. Acredite, é pior, e quando você deixa tudo pra última hora, é como se fosse um efeito dominó: tudo que tava certo passa a dar errado. Tudo que você planejou com aquela banca de "relaxa cara, vai dar tempo", não vai dar. Não é praga não, é fato.


13 - Não deixe de se alimentar e nem de dormir



Isso é experiência própria de quem terminou o TCC com três quilos a menos e as olheiras chegando lá no joelho. E não me orgulho disso não, pois tá cada vez mais difícil conseguir voltar à rotina. É que eu sou extremamente ansiosa, então, simplesmente não conseguia comer e nem dormir enquanto não terminava o que estava fazendo. Mas isso não é bom, porque imagina ficar doente no fim do TCC? Você não vai querer prejudicar seu trabalho por rebeldia sua né? Tive de ouvir muito isso e ainda bem que pelo menos no final consegui me recompor hahahah



14 - Relaxe! 




Outro conselho de quem, por experiência própria, deveria ter seguido. Como disse anteriormente, eu sou muito ansiosa, eu NÃO SEI RELAXAR. Mas eu tentei, tentei muito, e isso me ajudou ainda mais a me tranquilizar em relação ao trabalho. Foi difícil, mas quando eu via que eu já não estava conseguindo racionar eu saía pra dar uma volta, ia ver TV, comer, ouvir música, sair pra beber com os amigos. O TCC não tem que ser uma prisão, então, momentos de relaxamento são fundamentais até pra você conseguir pensar melhor. Chega uma hora que não sai mais nada da sua cabeça, e não adianta forçar. Então, se organize pra você conseguir ter momentos de relax.

15 - E por fim, comemore! 



Você já chegou até aqui, chorou um pouco, teve umas horas de sono a menos, quase caiu os dedos de tanto digitar e agora tem a sua recompensa! Agora é só apresentar e correr pro abraço! E esse dia pode parecer longe, mas ele chega! E a sensação de alívio é indescritível, acredite!


Espero que as dicas tenham sido úteis pra vocês. Qualquer dúvida, estou à disposição no contato@anapauladealmeida.com

Fotos: gentilmente surripiadas da fanpage TCC da Depressão , uma página super legal pra quem está fazendo TCC, pois além de fazer com que a gente encare o TCC com um pouco mais de bom-humor, tem algumas dicas interessantes pros formandos.

PS: Ah, quem quer ver o resultado do meu TCC, só visitar: www.souphyna.com.br/revista

8 de dezembro de 2012

O fim de um ciclo

by Ana Paula de Almeida às 14:51 0 comentários
Foi especial demais ter vocês comigo nesses quatro anos


Ainda me lembro de 5 de fevereiro de 2009. Eu era uma adolescente de 17 anos, cheia de sonhos na cabeça e o coração acelerado de tanta emoção. Era o primeiro dia dos próximos quatro anos da minha vida. Começava a tão sonhada faculdade de jornalismo. É bem verdade que eu caí de paraquedas no curso, afinal, eu havia feito vestibular pra Relações Públicas, mas como a turma não atingiu o número mínimo de ingressantes, acabei optando por jornalismo. E hoje, tenho mais do que certeza de que foi a decisão mais acertada que eu tomei na vida. 
Desde a hora que tinha acordado naquele dia, não parei de pensar em como seria a minha sala, as aulas, os colegas, tudo. Era o começo de uma jornada com muita história pra contar. E eu não contava que quatro anos passariam tão rápido.
Conheci as pessoas mais especiais da minha vida durante essa jornada. Da minha turma e de outras, fiz amigos que eu vou levar pra vida toda. Nesses anos, nós nos tornamos uma família, com todos os defeitos e virtudes que uma família tem. A gente brigou sim, muitas vezes, mas ninguém nunca se negou a oferecer um ombro quando foi necessário. Aprendi muito mais que lições de sala de aula com eles, aprendi lições de vida, que ajudaram com que eu me tornasse o ser humano que eu fui hoje. Cada risada, cada discussão, cada choro, cada orgulho, cada piada, tudo eu guardo com muito carinho dentro de mim.
Mas nem tudo foram flores não. Foi muito difícil chegar até aqui, e eu já quis desistir muitas vezes em cada ano. Muitas vezes eu me perguntei se era isso que eu queria pra minha vida. De acordo que os meses e os anos iam passando, ia ficando cada vez mais difícil e cansativo. Quando entrei ainda era adolescente, tudo era festa, tudo era o bar. Não tinha de me preocupar com trabalho, afinal, eu era bolsista. Mas a idade chega, e traz com ela a responsabilidade. A faculdade é uma festa sim, mas é muito difícil (mesmo) sair do trabalho pedindo banho e cama e ter de assistir aula até às 23h. 
Durante esses anos, muitas vezes eu chorei de cansaço. Muitas vezes. Cansaço de quem sai de casa às 6h e volta à 00h, e tem ainda de fazer trabalhos de faculdade pra entregar no outro dia. E fim de semestre então? Parece um pesadelo daqueles que você não acorda. As provas e trabalhos acumulam de uma tal forma que tem horas que parece mais fácil fugir. Mas quando acaba tudo, você tem a deliciosa sensação de que vale a pena.

O sorriso da aprovação


Esse ano pra mim foi um misto de sensações. Fiquei enrolada com o TCC e tudo que eu mais queria era entregar logo. Mas também foi o ano que eu mais cresci, pessoal e profissionalmente. Os últimos meses então foram estressantemente deliciosos. Não vou dizer que foi fácil, porque não foi. Muitas vezes eu de novo quis desistir e sei lá, entregar no ano que vem. Mas eu já tinha chegado até aqui, não seria difícil me esforçar mais um pouquinho. E eu consegui, e quando apresentei e fui aprovada, de novo aquela sensação de que cada esforço valeu a pena voltou, mas ainda com mais força, pois era a sensação de quatro anos. 
Eu não imaginei que quatro anos seriam capazes de mudar tanto uma pessoa quanto eu mudei. É assustador olhar minhas fotos do primeiro ano de faculdade, toda com cara de criança, e olhar agora. Eu sou uma mulher, eu sou uma jornalista, recém formada, é verdade, mas uma jornalista. Pensava que esse sonho estava tão longe, e agora ele está aqui, nas minhas mãos.
Eu sei que a "vida", de verdade, começa agora, já me disseram muito isso. Mas não vai ser muito diferente do que já foi até hoje, porque trabalhos e contas pra pagar eu já tenho (ahah), mas sei que agora com a diferença do "mundo cruel" na minha frente. Mas sei que com a maturidade que eu adquiri nesses últimos quatro anos, eu tô mais que preparada pra enfrentar tudo isso, de cabeça erguida. 
E eu não me arrependo de nenhuma das escolhas que eu fiz, a principal delas, o jornalismo. O que começou apenas como um "vou começar o curso pra ver no que dá, se eu não gostar, eu paro", hoje é mais do que uma profissão. É o que eu escolhi pra vida. E eu tenho orgulho de falar pra todo mundo: SIM, EU SOU JORNALISTA!

Ana Paula de Almeida

1 de dezembro de 2012

SDDS anos 90

by Ana Paula de Almeida às 18:34 2 comentários
Aí que eu tava vendo o programa da Xuxa e tava tendo uma homenagem aos anos 90. Cresci ouvindo meus primos saudosistas reclamando de saudade dos anos 80, maaaas eu não posso reclamar. Nasci em 1991 e tive o prazer de viver minha infância nos anos 90, que foram sim, muito legais. Tudo bem que o hoje em dia a gente vê as fotos e morre de vergonha, mas gente, era muito legal também! Ainda não tinha o avanço tecnológico que tem hoje, não existia smartphone, tablet, e computador era coisa de rico, notebook então, era um sonho distante! Mas eu fui muito feliz também! Vamos lembrar dos anos 90 e vamos morrer de sdds?
Tecnologia:
Walkman, discman (um luxo!), tamagochi, bipe (quem lembra??), videocassete, videogame, câmera de vídeo, câmera fotográfica de filme e um monte de coisa legal que divertia a gente na época! E tirando a parte tecnológica, tinha mais coisa legal nos anos 90. Pode morrer de sdds?


Programas de TV e cinema
Tem muitos programas de TV que eu morro de saudades! Principalmente os infantis, afinal, eu era uma criança nos anos 90. AMAVA TV Colosso, Disney Cruj,  O Mundo de Beakman (affff ♥), O Fantástico Mundo de Bobby, Os Anjinhos Rugrats,  Castelo Rá-Tim-Bum, Rá-Tim-Bum, Glub-Glub, Cocoricó, Chiquititas.


E como não falar de Chaves ou Chapolin Colorado? Tinha outras séries também, lembram da Blossom (sdds eternas), Um Maluco no Pedaço, Alf o Eteimoso, Três é Demais (sdds gêmeas Olson kids), Barrados no Baile, Dawson's Creek, Buffy a Caça Vampiros, Os Simpsons (assistia escondido da mãe), Friends, Confissões de Adolescente, Família Dinossauros!

Quer ver mais? Então clica aqui embaixo! 

30 de novembro de 2012

A doce nova safra da MPB

by Ana Paula de Almeida às 13:03 1 comentários
Eu adoro música, sempre gostei. Não sou nenhuma especialista, não sei cantar nem tocar nada, mas amo ouvir. E amo ouvir um monte de coisa, desde que seja boa. Antiga, nova, rock ou samba, eu gosto do que é bom, e do que faz bem.
Gosto de MPB, acho que o Brasil, na sua imensidão, tem artistas incríveis, e que devem ser prestigiados. Nos últimos anos, novos cantores de MPB têm aparecido, e é incrível a qualidade deles. As letras são lindas, e tocam a gente, muitas vezes lá onde a gente nem sabia que existia sentimento. E ainda bem que é assim, música boa, assim como amigos, nunca é demais.
Fico muito feliz cada vez que conheço um novo cantor e vejo que ele tem potencial pra crescer. E muitos têm feito isso, e não deixam nada a desejar a artistas internacionais. Sem demagogia, acredito mesmo que o país tem que começar a valorizar o que de bom há por aqui, porque há muita coisa boa. E pra quem não conhece, deixo abaixo minhas mais novas doces descobertas. Umas nem tão novas assim, mas todas incríveis!

Cícero
Ele é a minha mais recente descoberta, e uma das melhores surpresas de 2012. O álbum "Canções de Apartamento" tem o dom de me acalmar e me deixar cheia de amor. É daqueles que você não cansa de ouvir, e cada vez que ouve, parece que te diz alguma coisa diferente.

Marcelo Jeneci
Outra boa, doce e deliciosa surpresa. Não o descobri esse ano, mas 2012 foi sem dúvidas o ano que eu mais o ouvi. A primeira vez que ouvi Marcelo Jeneci foi no Rock in Rio e fiquei impressionada com as letras,  e com a melodia deliciosa. Foi amor à primeira vista. Não preciso dizer que uma das minhas preferidas é "Pra Sonhar", afinal, ela fala de casamentos. Mas a obra toda dele deve ser ouvida, é uma delícia. O álbum "Feito pra Acabar" é uma obra-prima.


Tiê
Também a conheci no Rock in Rio, e tive o prazer de ver ao vivo. Na verdade, foi o primeiro show que vi no dia, e ficou marcado. Quando cheguei em casa, corri pra conhecer tudo que aquela mulher linda cantava com tanta doçura. E me apaixonei. A voz, as letras, as melodias, tudo em perfeita harmonia, faz com que cada vez que eu ouça Tiê, eu me apaixone ainda mais. 


Tulipa Ruiz
Já tinha ouvido falar muito na Tulipa, ainda mais no VMB 2011 (se não me engano), em que ela ganhou diversos prêmios. Mas num dia, ouvindo minhas deliciosas revelações no Youtube, me apareceu uma sugestão dela. Não preciso dizer que amei de cara, né? E corre, porque o álbum "Tudo Tanto", tem download grátis no site dela!

Tiago Iorc
Esse nome você já deve ter ouvido, afinal, as músicas deles já foram temas de novela como Malhação, e outras. Mas conheci a carreira do Tiago a fundo no ano passado, quando ele lançou o álbum Umbilical, e aí sim é que virei fã. Apesar dele cantar em inglês, é brasileiro, e tem a nossa qualidade rs. Além de ser um lindo, transmite com muita paixão todo sentimento das suas letras, e você não pode deixar de conhecê-lo.


Clarice Falcão
Conheci a Clarice esses dias, a Clarice cantora, porque assim que vi um clipe dela fiquei com aquela sensação de "Eu já te vi em algum lugar". É que a Clarice também é atriz, e já fez vários trabalhos na televisão. Não sabia que ela cantava, e quando soube, fiquei encantada com ela. Primeiro, pela voz doce, que sempre me encanta mesmo. Segundo, pelo bom humor das letras dela, são letras muito fofas e engraçadas. Mais uma dessas que você começa a ouvir e não consegue parar, apenas.

Marcelo Camelo
Aí você me diz, "Nossa Ana, mas o Camelo não é da safra nova!". Eu sei né, e tá escrito ali no meu perfil que eu sou fã de Los Hermanos. Mas a carreira solo do Camelo não é tão antiga assim, então é por isso que ele está nessa lista. E também, porque o álbum "Toque Dela", em termos de conjunto, é um dos melhores que eu ouvi esse ano. Camelo carrega todo o sentimentalismo do Los Hermanos, por isso que eu amo demais. E "Pretinha", ah "Pretinha", já tá na lista das minhas músicas preferidas no mundo! 

Mallu Magalhães
A Mallu também não é nada nova, mas acho que com o álbum "Pitanga" ela atingiu a maturidade musical e que fez todo mundo que tinha preconceito com ela no início, pagar sua língua. Além de madura musicalmente, as letras também estão bem melhores, e a Mallu arrasa, vocês tem que admitir. Quero muito vê-la fazendo ainda mais sucesso! 


João Bernardo
Outra doce surpresa. Num desses meus dias procurando coisa nova pelo Youtube, me deparei com "Queria me enjoar de você" e pronto, nunca mais consegui me enjoar dessa música. Cada letra dessa música me toca, e quero que toque vocês também! 

Update: Ana Cañas
Como pude me esquecer da minha xará? Hahah, enfim, Ana Cañas foi uma das primeiras que conheci dessa "nova safra". Com toda doçura das suas letras, ela é uma linda, talentosa, que fez com que eu me apaixonasse ainda mais por MPB. E ela tem uma música com o meu nome, como não amar? 



Participações
Como todos esses cantores são de uma "nova safra", tem muitas participações em conjunto deles, que são muito legais, mostro pra vocês as minhas preferidas! 

Tulipa Ruiz e Marcelo Jeneci


Tiago Iorc e Clarice Falcão

Tiê e Thiago Petit

Marcelo Camelo e Mallu Magalhães

Gostaram das indicações? Vocês tem indicações legais pra fazer também? Me digam, adoro conhecer música nova! 
Beijos, 

Ana. 







50 tons de gente chata

by Ana Paula de Almeida às 00:06 3 comentários

Esses dias, conversando com uma conhecida, contei que havia ganhado um exemplar do livro "50 tons de cinza" num sorteio na internet, no blog de uma colega de classe (por sinal, visitem) , e ela me olhou com uma cara como se eu tivesse dizendo que tinha encontrado os escritos da Inquisição. E me disse "nossa, VOCÊ lendo esse livro, nunca iria imaginar". A ênfase que ela deu ao VOCÊ me fez parar pelo menos uns 10 segundos até conseguir recuperar a fala, enquanto olhava pra ela perplexa e pasma, diante do preconceito. Quem visse aquilo logo pensaria que eu faço parte da pequena parcela da população humana que tem acesso à cultura erudita e elitizada, quem me dera.
Quando consegui me recuperar do meu momento de perplexidade, perguntei: "É ruim? Você já leu?", ela "Não, mas ouvi dizer que é péssimo, machista, e que faz uma lavagem cerebral na cabeça mas mulheres." Hum.... ouvi falar. Todo mundo ouve falar e tira várias conclusões, não é? Eu também ouvi falar muito mal do livro, e muito bem também. Não tiro conclusões antes de ter minhas próprias experiências, mas não iria comprar o livro porque ele não faz meu estilo literário, e não porque eu ouvi falar que é ruim. Mas como eu ganhei, qual o problema de ler?
E bom, eu li. E nem tanto ao céu e nem ao inferno. É um livro bom, não serei hipócrita de dizer o contrário. Li em dois dias, pois ele, apesar do tema denso, é escrito de forma leve e bem-humorada. Se eu compraria? Não, como disse, ele não faz o meu estilo. Mas também não precisa ser crucificado do jeito que é, por gente que nem sequer leu.
É isso que mê irrita na sociedade, você tira suas próprias conclusões em base das conclusões de outras pessoas que, sei lá, você confia ou admira. As pessoas que eu confio e que eu admiro detestaram o livro, li críticas péssimas na internet e nos jornais. Mas nada me impediu, de ao ter o livro em mãos, ler e gostar da leitura. Credo, parece que as pessoas têm medo de discordar da opinião alheia.
O livro não é um clássico da literatura, não é um Machado de Assis ou um José de Alencar, do jeito que eu gosto, mas também não é nenhum Paulo Coelho - Esse sim, eu tive o desprazer de ler e detestar, mas também não quero ser crucificada por isso -, é um livro puramente para o lazer, que não me ofereceu nenhum enriquecimento cultural, a não ser por aprender mais sobre práticas sadomasoquistas (risos).
Acredito que justamente por isso o livro fez, e faz, tanto sucesso, porque ele aborda uma prática que no fundo, todo mundo sempre teve curiosidade mas nunca teve pra quem perguntar. Ou teve coragem de praticar. É mais uma curiosidade, mas qual o problema nisso? Li críticas ferozes dizendo que o livro fazia uma lavagem cerebral nas mulheres, que há muito buscaram sua independência mas agora querem ser submissas dos homens. Calma né. Eu li todas as páginas e posso garantir que não há nenhuma mensagem subliminar nele te forçando a praticar uma boa sessão de chicotada. Eu saí intacta e não quero ninguém me batendo. Ou seja, quem se sentiu realmente motivada a praticar isso, com certeza já tinha essa vontade lá no fundo, e o livro só despertou. Já pararam pra pensar nisso? Ou a ideia de que existam pessoas que se excitam com uns tapas no traseiro assustam vocês? A mim não, tem louco pra tudo nesse mundo. E se a pessoa gosta disso, eu te pergunto: qual o problema? Tem gente que cresce esperando o príncipe e tem gente que cresce esperando o dominador, vai saber.
Só não gosto é de gente que adora tomar partido pra agradar os outros ou tem medo de discordar das pessoas. Tenham opinião própria, por favor. Se você gosta de sadomasoquismo, pratique, ninguém tem nada com a sua vida. Só não se deixe levar pela opinião alheia e reprima uma vontade que é sua.
E se você leu Paulo Coelho e curtiu, olha, ótimo pra você! Se você leu "50 tons de cinza" e detestou, ótimo também! Eu li e não achei nada demais. Não quero ler continuação e nem praticar BDSM, então, a tese de que "50 tons" provoca lavagem cerebral é falsa!
Beijo (ou tapa na bunda, pra quem curte)

Ana Paula.

14 de outubro de 2012

O dia que me perdi de mim

by Ana Paula de Almeida às 01:25 0 comentários

Não sei como foi ao certo, mas de uns tempos pra cá, tenho me perdido de mim. É difícil não se perder de si em meio a tanta correria, eu não queria, mas é difícil. Me perdi de mim o dia que eu decidi que não ia mais seguir o curso que a vida me dava e ia decidir por mim mesma. Me perdi quando decidi me encontrar. Me perdi o dia que decidi que não ia mais pensar em você. Me perdi, mas me encontrei de novo. Me encontrei meio bagunçada, um tanto quanto com as coisas fora de ordem, justamente no momento em que eu decidi organizar tudo. Organizar o que você tinha bagunçado. Seus sapatos jogados pela casa e seus vestígios jogados no meu coração. Eu tentei organizar e foi aí que eu me perdi. Eu me perdi quando pensei que podia tomar as rédeas da situação, vendar meus olhos e fingir que não pensava mais em você. Me afundei no trabalho, nos estudos, nas baladas de fim de semana pra tentar esquecer que eu tava sozinha e fui deixando o resto de mim bagunçando porque eu decidi que não tinha tempo pra organizar tudo isso. Meu medo era voltar pra dentro de mim e ver que você não tava lá. Por um tempo eu consegui, só que chega uma hora que não dá mais pra varrer as memórias pra debaixo do tapete e seu guarda-roupa não comporta mais tanta lembrança. Aí, quando você abre a porta tudo despenca, como uma avalanche. Uma avalanche de lágrimas guardadas e de gritos entalados na garganta. E depois de organizar tudo de novo foi que eu me encontrei. Porque enquanto eu tava me mostrando forte, eu tava perdida no meio da poeira debaixo do tapete e das roupas mofando no armário. O seu cheiro ainda tava impregnado em mim, e por mais que eu tentasse fugir e camuflar com outros perfumes baratos, era na calada da noite, quando eu tava sozinha, que eu me pegava tentando lembrar como era quando você fazia carinho no meu cabelo enquanto eu tentava dormir.
Eu me perdi tentando me encontrar sem você. Só que como se no meio daquelas lembranças guardadas tivesse um mapa que me ajudou a me encontrar de novo, a ser feliz de novo, a sorrir de novo. Sorrir pra vida, pras janelas abertas e pro perfume da cidade.
E é assim que eu me encontro agora.

10 de setembro de 2012

Platônico

by Ana Paula de Almeida às 08:33 0 comentários



Ele é lindo, cheiroso, inteligente, alto, forte, é advogado, o tipo de homem que você sempre sonhou. Você passa noites imaginando como seria o beijo dele, o toque, o olhar. Como seria a voz dele sussurrando juras de amor ao pé do ouvido. Como seriam suas mãos quentes e grandes passeando sobre seu corpo, sua boca desbravando cada dobra das suas curvas.
Você cria diálogos inteiros na imaginação, com direito a sorrisos, a olhares fulminantes e a palavras que te deixariam vermelha. Imagina, até o sobrenome dele combina com o seu e o dos seus futuros filhos, um casal, lindo como o pai.
Ah, como ele é lindo! É o príncipe que você sempre sonhou, moreno, de barba, alto e com uma charmosa covinha no sorriso. Ele é o homem perfeito pra você. Mas ninguém é perfeito, ele também não é. O maior defeito dele é que ele nem sabe que você existe. Bom, ele até sabe, mas não liga muito. Só que você idealizou tanto uma história de amor perfeita que é conveniente que ela fique só na imaginação.
Amores platonicos são convenientes, afinal, você nunca vai ter de lidar com os defeitos do outro. Na sua cabeça ele é perfeito, e sempre vai ser. Só que nunca vai ser real. Quantos amores platonicos você já viu ruir quando se tornaram reais? Se o amor não estiver disposto a transpor a barreira da imaginação, ele não merece ser real. Relacionamentos são complicados, pois estamos falando de pessoas e não de personagens de romances. Não idealize seu amor, vivencie que é muito melhor. E muito mais difícil também, mas as delícias provenientes das dores são muito mais prazerosas.
Não perca seu tempo imaginando como seria, faça acontecer. Com certeza não é do jeito que você idealizou, mas sim muito melhor. Agora se você realmente acha que um amor platonico é mais confortável, você ainda não está pronto para o amor real.

28 de julho de 2012

Para o meu querido pai

by Ana Paula de Almeida às 01:09 1 comentários

Pai, a vida te tirou muito cedo de mim, e eu sinto muito a sua falta. Mas eu queria te contar algumas coisas. Você não me viu crescer, mas agora eu tô quase fazendo 21 anos. Eu já sou uma mulher. Eu não sou mais aquela bebêzinha que você pegava no colo e saía pra mostrar pros seus amigos. Aquela bebêzinha que você não teve o prazer de ver dar os primeiros passos nem de falar as primeiras palavras. Agora eu já sei andar sozinha, no sentido literal e figurado, e as palavras são meu maior instrumento de trabalho. Sabe pai, eu tô me formando na faculdade esse ano. Vou ser jornalista, como você queria que eu fosse quando escolheu meu nome, inspirado na Ana Paula Padrão rs. Sabe do que mais pai? Eu gosto de rock! Na verdade eu amo rock, acho que essa foi uma das heranças mais vivas que você deixou em mim. Eu carrego muito de você, mesmo não lembrando do seu rosto, da sua voz, do seu cheiro. Meu mãe diz que eu me pareço muito com você. E ela diz que você foi um homem muito bom, então eu fico feliz de me parecer com você. Por falar em mãe, você escolheu a melhor mãe do mundo pra ser a minha, ela é incrível, me ensinou tudo o que eu sei e fez de mim a mulher que eu sou hoje. Mas eu sinto sua falta, todos os dias. Queria que você soubesse, e queria que você, onde quer que esteja, olhe por mim e sinta orgulho um dia. A saudade aperta às vezes, mas eu sei que você não foi porque quis, e que pra tudo há uma razão nessa vida. Só queria que você soubesse que eu tô feliz, tô encaminhada na vida, e que mesmo nunca tendo podido te chamar de "Pai", tenho certeza que você é o melhor pai do mundo. Te amo.

28 de maio de 2012

Eu não quero mais metades

by Ana Paula de Almeida às 09:00 0 comentários Links para esta postagem


Você me diz que eu tô estranha. É claro que eu tô estranha. Você me joga uma bomba dessas no colo e espera que eu me comporte como se nada tivesse acontecido. Não sei se você percebeu, eu não sou atriz, nunca participei das aulas de teatro do colégio e nunca soube disfarçar. Não sou de ficar falando muito, mas não precisa ficar todo surpreso por causa da minha reação. Você chega e diz que vai se mudar pro outro lado do planeta e espera que eu te abrace e deseje boa sorte? E eu nessa história? Não, eu não tô sendo egoísta, eu quero muito que você seja feliz, que você cresça e tenha sucesso, só que eu quero fazer parte dele, eu acho que eu tenho direito. Eu não quero que você fique aqui por minha causa, mas eu quero que você fique perto de mim.

Sabe o que é, é que eu cansei de me contentar com a metade. Desde criança eu sempre tive que dividir tudo com os outros. “Coitadinha da sua irmã, ela é pequena, dá sua boneca pra ela”, “Coitadinho do seu coleguinha, divide seu lápis de cor com ele”, “Coitadinha da sua amiga, divide sua saia preferida com ela”. E eu? Ninguém pensa em mim? E eu não quero te dividir com outro país inteiro.

Eu não tô sabendo lidar com a ideia de que daqui a alguns meses eu não vou ter mais o seu olhar todo dia na hora de acordar. Não vou ter você pegando no meu pé porque eu usei seu gilete pra depilar minhas pernas. Não vou ter você brigando comigo por causa do controle remoto e caindo na risada por causa dos meus comentários sem noção na hora do futebol. Não vou ter você me dando banho de mangueira na hora de lavar o carro. Não vou ter você pra deitar no meu colo e eu fazer carinho no cabelo depois do trabalho. Poxa vida, a gente era mais que namorado, nós éramos parceiros e você prometeu cuidar de mim quando eu derrubei minhas defesas pra ficar com você. Eu deixei você construir uma ponte entre a gente pra você aumentar ainda mais a distância.

E eu não vou aprender a lidar com essa discrepância de um dia pro outro não ter mais você aqui, por completo. Eu não quero ficar com a sua metade enquanto você leva meu coração por inteiro. Só se você deixar seu coração por completo aqui e prometer que vem buscar. Porque quando é o “nós” que está em jogo, eu sou egoísta e não aceito metade.

11 de maio de 2012

Do cansaço iminente.

by Ana Paula de Almeida às 22:57 0 comentários


Eu fiquei olhando por alguns longos minutos pra essa página branca sem ter ideia do que iria escrever. Tem dias que seu coração tá tão cheio de sentimentos que é impossível se expressar. Simples assim. Parece que dentro de mim tá acontecendo um turbilhão, uma tempestade marítima, daquelas dignas de filmes americanos. É até difícil definir. Na verdade, o que eu sinto não tem definição. É uma mistura de raiva, com mágoa, com vontade de chorar e ao mesmo tempo vontade de fazer tudo diferente e progredir. 
É um daqueles momentos que tudo o que você quer é desaparecer. Dormir e acordar numa realidade paralela, onde todos os seus problemas podem ser solucionados com uma boa dose de cerveja. Seria bom se fosse assim.
Mas hoje também é um daqueles dias em que eu paro e penso: fugir não resolve nada. Tem horas que a única coisa plausível a ser feita é enxugar as lágrimas e enfrentar os problemas, por mais que doa, que machuque, que pareça que você não é forte o bastante. O meu problema é lutar sozinha, é olhar pros lados e ver que no final, a questão é comigo, e só eu posso resolver. Mas eu daria tudo pra ter alguém pra segurar na mão e me garantir que vai dar tudo certo.
Eu só queria um colo pra chorar e um olhar carinhoso pra ouvir meu desabafo. Porque eu cansei de guardar tudo dentro de mim porque não tem ninguém pra ouvir. Por mais que eu pareça forte, até as fortalezas tem fragilidades, e as minhas cada vez mais se mostram vulneráveis. E eu cansei de sentir segurança em alguém que eu sei que vai me abandonar na primeira esquina, que vai soltar da minha mão quando vier a primeira turbulência. 
Eu cansei de ouvir que eu "tenho que ter paciência". Eu não quero mais ser paciente, eu quero agir, mudar as coisas, não posso ficar esperando que elas mudem sozinhas. Eu não posso ter paciência.
Eu só quero alguém pra atravessar esse mar turbulento comigo. Alguém que vai me proteger e depois festejar junto o nascer do sol. 
Só que eu me cansei de esperar. 
 

napaulices Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos