26 de julho de 2010

O fim do começo

by Ana Paula de Almeida às 21:34

Não me lembro a data exata em que isso aconteceu, nem ao menos de como aconteceu, só sei que quando vi não via mais graça alguma nas minhas bonecas. Minhas barbies tinham perdido o brilho dos cabelos e glamour dos vestidos de princesa. E engraçado, até o dia anterior "O Castelo Rá-tim-bum" ainda era o meu programa preferido, mas, depois, eu não suportava ouvir a voz do Nino.
O que mais me espantou foi olhar no espelho e ver que meu cabelo estava diferente, meu corpo estava diferente (é, eu não era mais aquela gorduchinha), e, para a minha surpresa, um sinalzinho muito feio havia aparecido na pontinha do meu nariz. Era a minha primeira espinha. Fiquei em choque, gritei pra minha mãe me socorrer. Ela simplesmente riu e me disse "Pode se acostumar por que você vai conviver com 'elas' por muitos anos ainda".
O mais engraçado era que, de uma hora para outra, os meninos da minha classe que antes eram extremamente chatos e insuportáveis passaram a ser "bonitinhos". Na verdade lindos, e vez ou outra meu coração acelerava de um jeito muito estranho por um deles.
Como qualquer criança, sempre gostei muito de doces, mas nos últimos tempos sentia uma vontade absurda de me encher de chocolates. Toda vez que comia uma barra me sentia melhor e queria comer outra. Parecia uma droga. E quanto mais eu comia aqueles chocolates deliciosos, mais o meu rosto ficava infestado daquelas espinhas horrorosas.
E o meu corpo então era o que mais me assustava. Minha mãe resolveu me colocar em aulas de esportes pra que eu pudesse me distrair e emagrecer um pouco. Emagreci demais, e percebi que os meus seios estavam começando a crescer. Fiquei profundamente incomodada quando percebi isso e minha mãe tratou de me dar uns sutiãs de presente. Nossa, como aquilo incomodava, e incomodava mais o jeito como os meninos cochichavam e faziam comentários maldosos sobre isso. O que me consolava era que eu não era a única, várias amiguinhas passavam pelo mesmo incômodo.
O que eu não havia percebido ainda era que eu estava crescendo. Confesso que quando mais nova não via a hora de crescer logo pra poder sair à noite como as minhas primas mais velhas. Só não imaginava como seria. No fundo nunca pensei que um dia teria coragem de largar minhas bonecas e minhas tardes na rua brincando de queimada e pique-esconde. Nunca pensei que um dia não iria ver graça em tudo que um dia me pareceu tão normal.
Mas esse dia chegou e eu tive de aprender a lidar com todas as mudanças que seriam inevitáveis a partir de agora. E lidei, só não sei se muito bem. Só sei que, eu daria a minha vida pra voltar pra fase em que minha única preocupação era que vestido colocar na minha Barbie.

Ana Paula de Almeida

3 comentários:

Stéfane Souza on 28 de julho de 2010 23:05 disse...

adorei esse texto, é praticamente tudo o que eu estou sentindo agora, só com outras preocupações kkk Enfim, tudo lindo aqui. beijos.
tô seguindo. :*

http://sonhoseumdiario.blogspot.com/

Ana Paula de Almeida on 28 de julho de 2010 23:09 disse...

Haha, todo mundo passa por essa fase na vida né, não tem como fugir! Obrigada pelos elogios flor, vou ver teu blog também! Beijos

Daiani Gomes on 30 de julho de 2010 09:26 disse...

to seguindo vcc!
http://daianig.blogspot.com/

;*

Postar um comentário

 

napaulices Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos