15 de janeiro de 2013

Ser sozinho não é ser triste

by Ana Paula de Almeida às 12:25

Quem é solteiro sabe que a maioria dos sozinhos adora fazer um drama do tipo "queria tanto encontrar alguém", "quero namorar", etc, e eu me incluo nessa. É porque ser sozinho pode ser doloroso, se você fizer disso uma coisa ruim.
A verdade é que depois que a gente termina um relacionamento complicado vem aquela fase do "fechado pra balanço", que é quando a ferida está aberta, você não quer saber de ninguém, e no fundo ainda tem aquela esperança de que volte com o ex. Depois dessa fase, vem aquela do desespero, tipo abstinência, você já esqueceu a pessoa (ou não) e quer a todo custo fazer a fila andar. Aí é aquela fase que você tá em todas as baladas, em todas as festas, qualquer pessoa é um alvo potencial e você já sai pensando em encontrar o novo amor da sua vida. O problema é que você nunca encontra, volta pra casa frustado e  começa a se remoer pensando no que tá acontecendo de errado. Isso se agrava se o seu ex já tiver seguido a vida, e se torna uma questão de honra fazer o mesmo. Essa é a pior fase de todo o solteiro, é a fase mais frustrante, desgastante e quando todos os seus amigos começam a namorar. É melhor fazer um retiro no Nepal do que passar por isso.
Mas essa fase passa, ô se passa! E aí vem a melhor parte de ser solteiro, e uma das melhores fases da sua vida: quando você começa a se amar e a achar a sua companhia a melhor do mundo! Não tem sensação melhor que essa. Você pode estar no sábado a noite de pijama tomando vinho e vendo TV ou pode estar no camarote da melhor balada da cidade, não importa, a sua companhia é a melhor de todas. Todo mundo te olha, te ~paquera~ e você não tem aquela obrigação de provar pra todo mundo que você partiu pra outra e sair beijando qualquer um. Mas se você quiser beijar também, você beija, e faz isso pelo seu prazer. E aí você passa a não sentir inveja dos casais felizes andando pela rua porque você pode ir pra onde quiser, com quem quiser, a hora que quiser, sem dar satisfação pra ninguém. Os casais aparentemente felizes começam a ter inveja de você.
É nessa hora, quando você mais se ama, que você aprende a enxergar os sinais e as pessoas incríveis que a vida coloca na sua frente. Quando você tá nas fases anteriores - fechada pra balanço e escancarando as portas pra que qualquer um entre - você não consegue ver um palmo na sua frente. E quando vê, não consegue valorizar as pessoas legais primeiro porque você não quer ficar ninguém e segundo porque você quer ficar com todo mundo.
Quando você tá de cabelo novo, fazendo academia, aprendendo uma língua nova e planejando as suas primeiras férias sozinha que a surpresa bate a sua porta. E é tão bom, porque você aprendeu tanto a se valorizar depois da tempestade das fases anteriores, que a calmaria de se amar é a melhor recompensa. Quando você se ama, é muito mais fácil fazer com que os outros se amem, e que você ame os outros também. É um ciclo, e que você tem que passar pelas fases difíceis até aprender que não importa onde você esteja, a sua companhia é a melhor do mundo. Você aprende a se tornar o tipo de pessoa que você gostaria de ter do lado.
Por isso que não dá pra "pular de fases", todo mundo precisa de um tempo assim sozinho pra aprender que a felicidade não está no outro, mas está em você. É é se fazendo feliz que você consegue fazer o outro feliz.

1 comentários:

Kelly Ane Agostinho da Silva on 15 de janeiro de 2013 12:46 disse...

E é justamente no final dessa fase, em que você está tão de bem com você que aparece aquela pessoa que você sempre quis! Daí você fica junto por gosta da pessoa e não porque não quer ficar sozinha, ou porque TEM que ter um namorado... Lindo texto, passei por todas essas fases e sou defensora dessa ideia. Sempre falo isso, tem muita gente por aí precisando se amar em primeiro lugar! Eu aprendi, passei pela fase do sofrimento, mas aprendi! É isso aí! =))

beijos ;**

Postar um comentário

 

napaulices Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos